Notícias

Semana de comemorações para pacientes e colaboradores da Cardio Nefroclínica

Ao completar 34 anos de trabalho, a equipe da Cardio Nefroclínica (CNC) conseguiu consolidar sua qualidade em hemodiálise em Sant’Ana do Livramento e se colocar entre as 16 melhores do País, conforme a classificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA). A partir do reconhecimento, a empresa vem promovendo uma série de mudanças administrativas que devem aprimorar ainda mais o serviço prestado aos pacientes, seu relacionamento com parceiros, fornecedores e outros integrantes da rede de saúde.

Desde o ano passado, três colaboradores passaram a ocupar novas funções e a alteração comprovou a capacidade dos gestores da CNC de acompanharem o dinamismo existente nas relações de trabalho. Conforme o fundador da CNC, Dr. Freitas, entre as principais motivações para a inovação, está a conquista do reconhecimento da qualidade do serviço, atestada pela ONA no ano passado, que impôs a reflexão e o estabelecimento de novas metas e mudanças de paradigmas dentro da Clínica. “O crescimento do organismo exige uma constante revisão para otimizarmos o funcionamento da rede e garantirmos a sustentabilidade do serviço. A rede adquire personalidade própria e nosso organograma deve refletir essa personalidade”, justifica o diretor Técnico Dr. Freitas.

Os integrantes das novas funções são provenientes da própria CNC. A diretoria Geral passa a ser responsabilidade de Juliana Freitas, antes coordenadora da Qualidade; a Diretoria Administrativa fica a cargo de Anderson Alves, que atua na empresa há mais de 15 anos; e o novo gerente Administrativo e trainee em Tecnologia da Informação (TI) é Octavio Torres, com experiência em auxiliar nas áreas de suprimentos, administrativa e de manutenção de computadores.

A nova equipe administrativa tem o objetivo de fortalecer a qualidade interna implantada e difundi-la, além de buscar conhecimento na área de gestão em saúde para proporcionar um crescimento sistêmico fundamental para melhorar ainda mais o tratamento dos pacientes. “Estamos focados em implantar uma gestão compartilhada, de forma horizontal, onde os líderes decidem em conjunto os rumos da CNC e de suas próprias atribuições. Para isso, contamos com a orientação de profissionais da área de recursos humanos e psicologia que garantem uma transição mais clara e segura para uma nova fase no serviço”, explica a diretora.

Planejamento

Nesse novo ciclo da CNC, o Seminário Anual de Revisão e Elaboração das Estratégias (Saree), que ocorre no final de novembro, será o ponto de partida para o estabelecimento de novas ações, estratégia e políticas. Como nos anos anteriores, o encontro conta com a participação de todos os colaboradores e é o momento de revisão do passado e do presente da Clínica para então serem traçados os objetivos futuros.

“Em 2015, quando completarmos 35 anos, voltaremos o foco do trabalho para a segurança dos processos internos. Novos colaboradores estão sendo contratados e eles  precisam conhecer a cultura da CNC e imergir em nossas práticas de qualidade e segurança”, justifica a diretora Geral. Para que o objetivo seja conquistado, o primeiro dos três pilares de atuação será o desenvolvimento da equipe através de uma matriz de educação continuada integral, destinada a atualizar e reciclar os conhecimentos.

O segundo pilar consiste na implementação do Núcleo de Segurança do Paciente, uma norma estabelecida pelo Ministério da Saúde, que incrementará o cuidado com o paciente por meio de práticas de Biossegurança, na grande maioria já realizadas na CNC. Para completar o plano de ação, haverá a implementação de um Sistema de Auditoria interna exclusivo e periódico. A proposta,  além de promover a busca pelo aperfeiçoamento contínuo, vai facilitar a incorporação dos métodos de trabalho existentes. Em meio a tantas inovações, o marco dos 35 anos de atividade do único serviço de hemodiálise de Sant’Ana do Livramento, deverá envolver pacientes, colaboradores e comunidade nos aprimoramentos propostos para os próximos 12 meses.



SAÚDE PÚBLICA

outubro 7, 2014 | Postado por juliana |

 

Diretoria da Cardio Nefroclínica convida comunidade e vereadores

a avaliarem a relação com a Santa Casa.

CNC

Matéria publicada hoje no jornal A Plateia.

Na edição do jornal A Plateia dos dias 4 e 5 de outubro, foi publicada a preocupação do vereador Aquiles Pires, expressa na câmara de vereadores à respeito de supostos valores devidos pela Cardio Nefroclínica à Santa Casa. A versão veiculada não inclui todas nuances documentadas no processo em questão. Há quase 35 anos instalada na cidade, CNC presta um serviço para os pacientes com doenças renais.

Segundo diretora da CNC, Juliana Freitas, um dos principais fatos, desconhecidos por grande parte da comunidade é o de que a Santa Casa de Misericórdia não paga pelo serviço de plantão prestado durante 24 horas por dia, para atender aos pacientes em UTI do hospital. Para prestar esse serviço são necessários investimentos em: plantonistas especializados em nefrologia (médicos e enfermeiros), aquisição e manutenção de equipamentos de ponta, compra de insumos para diálise, tratamento de água, entre outros inúmeros fatores que poderiam ser mencionado. Todos eles custeados pela Clínica.

Fóra o serviço de plantão oferecido sem custos para o hospital, existem as sessões de hemodiálise realizadas em pacientes internados na UTI, para as quais o valor repassado pelo SUS não cobre, minimamente, os custos. “O importante é entender que a diálise do paciente com doença renal aguda é responsabilidade da Santa Casa e deve ser prestada por ela, no entanto esse serviço é terceirizado para nós sem custos ao hospital”, complementa o diretor técnico da CNC, Dr. Freitas.

Esse argumento já seria suficiente para justificar o contrato que garante a isenção do aluguel por parte da CNC. No entanto, ainda existe outro motivo: a construção do prédio que ocupa foi realizada com recursos da própria CNC, através de financiamento bancário, ainda em vigência. “Independente do que está sendo discutido judicialmente, se o contrato que temos com o hospital for considerado nulo e houver entendimento de aluguel retroativo a ser pago, o hospital também deverá pagar retroativamente pelos serviços recebidos até hoje, além de nos ressarcir pela construção do prédio”, pondera o administrador da CNC, Anderson Alves.

Histórico

Deve-se esclarecer que existe um contrato firmado, entre Santa Casa e Cardio Nefroclínica, pelo qual foi construído em área do terreno da Santa Casa uma edificação, com recursos exclusivos da CNC, para fins de nela se estabelecer, ficando obrigada ao atendimento de diálise dos pacientes com insuficiência renal aguda em UTI, em regime de plantão, durante 24 horas por dia, 365 dias por ano.

O empréstimo feito pela CNC junto a instituição financeira para a obra, ainda sequer foi pago. Tudo foi estabelecido em contrato, com autorização da mesa administrativa, firmado pelas partes em 2005. As partes, e principalmente os pacientes, somente ganharam com tal relação, definida em contrato, razão pela qual é importante que a verdade se restabeleça e a boa relação mantida se perpetue, como deve ser.

A ação judicial movida pela Santa Casa não foi julgada, nem mesmo em primeira instância. O que há é uma tentativa de acordo e para isso é importante que todos participem. “A comunidade deve entender muito bem todos os fatos que envolvem essa relação, pois é complexa mesmo, mas é ela que garante a segurança do tratamento aos doentes renais em nossa região”, enfatiza a diretora.

Quais as vantagens para Santa Casa?

1.  Para que um hospital almeje uma UTI tipo II, como a da Santa Casa, ele deve, preliminarmente, possuir pelo menos uma atividade de alta complexidade, como cirurgia cardíaca, serviço de oncologia, transplante, etc.

É a CNC (com a hemodiálise) que confere à Santa Casa essa alta complexidade exigida pelo Ministério da Saúde. É bom que se frise que a diária de uma UTI tipo II é cerca de 4 vezes maior que a de tipo I.

 2.  Os pacientes com insuficiência renal aguda em UTI que necessitam de diálise são atendidos através do serviço terceirizado, prestado pela CNC, em regime de plantão, 24 horas por dia.

 3.  O alto custo de manter uma equipe de plantonistas especializados (médico, enfermeiro e técnico) em sobreaviso, a aquisição dos insumos para diálise, bem como a compra e manutenção de equipamentos de ponta para atender a UTI, não são repassados à Santa Casa. Quem arca com eles é a CNC.

4.  O atendimento do paciente agudo em UTI é facilitado, ágil e sem qualquer custo para o hospital, principalmente tendo em conta que tal atendimento é altamente deficitário, pois o repasse que a Santa Casa efetua à CNC (com o valor recebido pelo o SUS) não cobre minimamente os custos.

 5.  Possuir um serviço de diálise dentro de suas dependências confere também à Santa Casa maior segurança e agilidade no atendimento de seus pacientes hospitalizados.

 6.  O prédio que o contrato de parceria contemplou, construído pela CNC através de financiamento bancário (ainda em vigência) foi adicionado ao patrimônio do hospital sem nenhum custo.



CAMPANHA

abril 11, 2014 | Postado por juliana |

Páscoa Criativa

Coelinho da páscoa esteve hoje na CNC estimulando as doações e distribuindo mensagens de prevenção e alegria! Quem será este coelinho eim?!

Amigos, parceiros e pacientes da Cardio Nefroclínica têm até a próxima quinta-feira, 17 de abril, para transformar a Páscoa de crianças carentes em um momento de alegria. Nesse ano, as doações sugeridas são materiais artísticos e literários, como massa de modelar, canetas, canetinhas, lápis de cor, giz de cera, livros, revistas de pintar, entre outros. Conforme a diretora geral da CNC, Juliana Freitas, a principal motivação para substituir os chocolates e doces por objetos de divertidos é poupar todas aquelas crianças que têm propensão a desenvolver patologias que podem ser agravadas pelo consumo de açúcar.

É o coelhinho da Páscoa consciente sobre a saúde dos pequenos.

Colabore também!



Visita nutricional em sala de HD

Mudar hábitos alimentares, ao contrário do que muitas pessoas pensam não é sinônimo de abrir mão de comer coisas gostosas. Significa substituir alimentos aos quais o organismo está acostumado e nem sempre trazem benefícios à saúde por outros que podem contribuir para o bem-estar. Confira as dicas da nutricionista da Cardio Nefroclínica, Karen Mora, e termine a semana planejando um cardápio dentro das indicações para pacientes com insuficiência renal crônica.

Todas essas informações são transmitidas aos usuários do serviço de hemodiálise durante a Visita em Sala realizada, periodicamente, pela nutricionista com o objetivo de levar ainda mais conhecimento aos pacientes sobre os benefícios de uma alimentação adequada. Durante as visitas, cada paciente é avaliado de acordo com os índices apresentados nos exames. Outras sugestões podem ser obtidas diretamente com pelo telefone da Cardio Nefroclínica 3242 43 00 ou pelo e-mail nutrikarenmm@hotmail.com.

DICAS

SINAL VERDE – alimentos permitidos

# Os pacientes renais podem consumir sal. A indicação é cozinhar os alimentos sem sal, e acrescentá-lodepois que o prato estiver pronto. Pode ser consumido até 1 grama, por refeição o equivalente a uma tampa de caneta Bic cheia ou um colher de cafezinho rasa.

# Temperos naturais podem ser utilizados à vontade, como orégano, salsinha, manjerona, cebolinha, pimentas, cebola, alho, sálvia, alecrim, cominho, noz moscada, alecrim, canela, entre outros.

# Vinagre e limão são boas alternativas ao sal.

# Carnes podem ser consumidas, desde que de forma variada, podendo-se consumircarne vermelha – duas vezes por semana,  e variar entre carne de frango e peixe.

# É importante o consumo de outras fontes de proteína animal, podendo alternar os tipos de preparações à base de leite e ovos.No entanto, é importante ressaltar que cada paciente possui uma recomendação de quantidade indicada.

# Vegetais, frutas e leguminosas são importantes fontes de vitaminas e minerais, dentre eles o potássio, que no caso de pacientes com insuficiência renal deve ser controlado.  Para reduzir aproximadamente 60% do potássio desses alimentos, opte por cozinhar em água aqueles que podem ser levados ao fogão, como a batata, o feijão, o brócolis, entre outros.

# Chimarrão, por ser a erva mate fonte de potássio este, deve ser consumido no máximo até cinco cuias por dia.

# Na ausência de Diabetes Mellitus, doces que não sejam à base de leite são permitidos. Já para aqueles que são diabéticos é necessário observar as quantidades permitidas de acordo com os níveis de glicose.

SINAL VERMELHO – alimentos que devem ser evitados

# Refrigerantes à base de cola (Coca cola e Pepsi Cola).

# Cerveja.

#Deve-se evitar o consumo  de molhos e temperos prontos.

# Embutidos (salsichas, presuntos e salames) e miúdos (por serem fontes de fósforo).

# Alimentos industrializados são contra-indicados porque são ricos em sódio e aditivos conservantes à base de potássio.

# Frutas secas, como ameixa, uva passa e damasco.

# Chocolates e achocolatados.

# Oleaginosas, por exemplo: castanhas, nozes, amendoim e pinhão.

# Vale lembrar que a carambola não deve ser consumida por pacientes que apresentem insuficiência renal crônica pois pode provocar agressão neurológica, levando a várias manifestações clínicas que vão desde vômitos, confusão mental e, até mesmo,ao óbito.

# Ficou em dúvida em algum dos itens acima? Esclareça com o seu médico ou nutricionista. As dicas apresentadas não se destinam a orientar casos específicos.


Tempero Fácil

Nas duas opções que seguem, aprenda a para temperar suas receitas de forma saudável.

Condimento fresco

1 kg de cebola

3 cabeças de alho

½  copo de óleo

1 colher de sobremesa de sal

½  maço de salsinha

*Modo de preparo: Descasque tudo e bata no liquidificador. Coloque em vidros e leve à geladeira.  A duração é longa e não estraga. Utilizar UMA COLHER DE SOBREMESA para preparar suas refeições.

 Sal de ervas

 1 pacote de alecrim

1 pacote de manjericão

1 pacote de mangerona

1 pacote de orégano

1 pacote de cheiro verde

200 g de sal comum

* Modo de preparo: Bater tudo no liquidificador e guardar em vidro com tampa. Adicionar 1 colher de chá as preparações.



Logo da campanha mundial de prevenção da doença renal.

            O Dia Mundial do Rim, ocorrido na quinta-feira (13) é uma data destinada a informar  os cuidados necessários com esse órgão vital. Com o tema 1 em 10. O Rim envelhece, assim como nós, instituições do País inteiro se dedicaram a  difundir a estimativa alarmante de que 10% da população possuiu algum grau de perda da função renal. O lema escolhido para a campanha preventiva, ainda alerta que os rins ficam mais suscetíveis a problemas em brasileiros com idade acima de 65 anos, fazendo o percentual subir para 30% e 50% nessa faixa etária. Em grande parte dos casos, cuidados prévios evitariam complicações ou até mesmo impediriam que o rim adoecesse.

         “O objetivo dos profissionais da saúde no Dia Mundial do Rim é conscientizar sobre a busca dos sinais da doença renal, visando detectá-la cedo e evitar sua progressão”, afirma o diretor técnico da Cardio Nefroclínica João José Freitas.  Trabalhar nesse sentido foi o objetivo da equipe da Cardio Nefroclínica com a ação realizada em dois turnos do dia 13 de março. No hospital Santa Casa de Misericórdia de Sant’Ana do Livramento, colaboradores distribuíram panfletos explicativos sobre os cuidados necessários. Veja na imagem, o material informativo da campanha, disponibilizado ao público, sugerido pela Sociedade Brasileira de Nefrologia.

Fique atento

         O diagnóstico precoce é, sem dúvida um dos principais aliados da qualidade de vida dos pacientes renais. Por isso, é importante ficar atendo aos fatores de risco: diabetes, hipertensão, idade acima de 65 anos e histórico da doença na família. Nesses casos, é fundamental fazer acompanhamento médico e realizar os exames indicados (glicemia, colesterol, triglicerídios, creatinina, exame parcial de urina,  microalbuminualbuminuria 24 horas). Aliados a esses cuidados, existem atitudes ajudam no bom funcionamento dos seus rins. Confira abaixo.

Para garantir uma boa saúde:

• Beba no mínimo 2 litros de água diariamente.

• Controle o consumo de sal. Evite enlatados, conservas e outros tipos de alimentos industrializados.

• Cuide com o excesso de bebidas alcoólicas.

• Pare de fumar ou reduza aos poucos o número de cigarros consumidos.

• Pratique exercício físico regularmente.

• Controle o estresse psicossocial.

• Tenha o controle permanente do diabetes e da pressão arterial.

Texto Amanda Ziani



Seleção

outubro 4, 2013 | Postado por juliana |

Estamos em processo seletivo!

 

Vaga para Técnicos em Enfermagem

Interessados enviar currículo para o email: cnc@cardionefroclinica.com.br até dia 11/10.



Visão Positiva

agosto 19, 2013 | Postado por juliana |

Apesar de totalmente adaptada ao tratamento, a paciente aconselha que todas as pessoas tenham um cuidado especial com a própria saúde, sobretudo diabéticos e hipertensos

Liliane Menezes de Souza faz parte do grupo de pacientes que busca difundir os benefícios da hemodiálise. Além de levar uma vida normal, com direito a viagens, exercício físico e cuidados com a casa, ela ainda cultiva hábitos de vida que considera mais saudáveis do que os que tinha antes de ter o rim comprometido. Os seis anos e nove meses de tratamento na CNC, completados no mês de maio, são suficientes para sentir-se confiante e “em casa”.

 “No meu caso, as complicações de saúde ocorreram por descaso”, conta com franqueza. Há 27 anos, na época em que teve o primeiro dos quatro filhos, foi alertada pela sua ginecologista para o fato de que precisaria fazer um estudo mais aprofundado do funcionamento do seu rim. Sem levar em conta a indicação médica, anos mais tarde, a paciente teve ainda o diagnóstico de hipertensão e passou a ser o que os médicos chamam de paciente conservador. A partir de então foi necessário controlar a alimentação e tomar medicamento.

Após cinco anos sendo acompanhada pelo nefrologista João José A. de Freitas iniciou-se o tratamento de hemodiálise. “O problema renal serviu para eu me alimentar melhor e ter mais qualidade de vida. Em muitas coisas o meu conceito mudou. Hoje eu vejo a importância do líquido. A gente acha que chimarrão é suficiente, mas tem que tomar muita água mesmo”, ensina cheia de energia para encarar o tratamento. Conforme ela conta, nem sempre foi tranquilo. “Tudo que é novo assusta um pouco o ser humano, mas hoje estou completamente adaptada”, completa.

Para Liliane, a equipe da CNC é como uma família, na qual todos são bem tratados e não há diferenças entre pacientes conveniados e aqueles beneficiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Aonde eu vou, faço propaganda da CNC. O pessoal não tem noção de que em Livramento existe um lugar como esse”, explica. Ao acompanhar diversas mudanças que ocorreram na CNC, inclusive de endereço, Liliane revela que aprendeu muito sobre hemodiálise. “O nosso rim passa a ser um capilar, ou seja, um cilindro preso à uma máquina cheio de fios bem finos como cabelos que filtram as impurezas do nosso sangue”, informa a santanense de 47 anos.

“Ter conhecimento depende também do interesse do paciente, eu estou sempre perguntando sobre os procedimentos”, diz. Recentemente, optou por realizar hemodiálise diariamente e sente mais disposição para cumprir as tarefas diárias. Em suas relações sociais, procura alertar as pessoas sobre a importância de realizar medidas preventivas de saúde, sobretudo, para pacientes diabéticos e hipertensos, que apresentam altos índices de comprometimento renal.

Em um futuro próximo, Liliane, já planeja realizar o transplante. Antes, no entanto, terá que realizar um tratamento para baixar um pouco o nível de anticorpos no seu organismo, que hoje são muito elevados para quem necessita realizar qualquer procedimento cirúrgico. “São casos raros e tinha que ser o meu”, comenta entre risos, admitindo que agora que já pegou o embalo e conhece como deve se cuidar. Acredita que a adaptação ao novo rim ocorrerá de forma natural. “O pior é não ter opções, mas quando tu tens, qualquer dificuldade pode ser superada”, finaliza.

Acompanhe, abaixo, informações essenciais para compreender o tratamento vivenciado por Liliane e outras dezenas de santanenses que realizam hemodiálise.

O que é hemodiálise? Segundo a Associação Brasileira de Nefrologia, hemodiálise é um processo de filtragem do sangue em que ocorre a retirada de toxinas e água acumuladas no organismo. É realizada em indivíduos portadores de Insuficiência Renal Aguda ou Crônica, nos quais os rins não estão cumprindo suas funções. Para assegurar a continuidade da vida é necessário um processo artificial de filtragem, além do restante dos cuidados médicos.

 Dicas para a realização de bom tratamento:

• Prepara-se bem para o tratamento. Conhecer o serviço de hemodiálise, antes mesmo de iniciar as sessões, traz mais segurança ao usuário.

• Saiba que o tratamento requer tempo, pois tem o objetivo de reabilitar a pessoa para desempenhar as suas atividades normais.

• Prepare-se psicologicamente para aceitar o tratamento e se adaptar o mais rápido possível a ele, incorporando-o a sua rotina.

• Siga as orientações dos profissionais especializados. Aceite dicas de nutrição, orientações sobre o funcionamento do corpo e apoio psicológico. Eles serão aliados do seu bom condicionamento físico.

• Busque informações sobre a realização antecipada da fístula, o acesso vascular adequado para fazer a hemodiálise que poderá garantir mais segurança e conforto.

 



DIVISÃO INTERNA EM EAPS

agosto 17, 2013 | Postado por juliana |

Mapa da Engrenagem

Saiba como se faz a divisão do trabalho em equipes.

O trabalho em equipe é um dos principais diferenciais da CNC. Ele forma uma verdadeira engrenagem, na qual cada colaborador tem uma função que está interligada com o funcionamento geral das demais equipes e por consequência do serviço como um todo. Quem explica como cada uma dessas peças funciona é a enfermeira e líder da Equipe de Assistência, Fabiana Boldrini. “Toda a nossa força de trabalho está inserida em um desses nove grupos, o que faz com que todos tenham noção da gestão que é feita dentro da Clínica e da sua importância para o funcionamento geral”. Confira abaixo, o organograma:

 

 

Equipe de Recursos Humanos:  Trabalha com tudo o que se relaciona aos colaboradores, como demissão, admissão, avaliação de desempenho e troca de setores, além do Programa de Educação Continuada que estimula a qualificação dos colaboradores.   

Equipe de Gestão da Qualidade: Gerencia os programas de Qualidade da CNC, incluindo as adequações realizadas para a conquista da ONA.

Equipe de Suprimentos: Abastece os diversos setores com os itens necessários para a realização da hemodiálise ou materiais de escritório, indispensáveis para a rotina de trabalho. É considerado  essencial para a equipe de assistência. Outras tarefas de responsabilidade desse grupo é a compra de materiais e o relacionamento com os fornecedores.

Equipe de Gestão Econômica e Financeira: Administra todo planejamento orçamentário, além de verificar se os recursos financeiros estão entrando e saindo corretamente da CNC. São responsáveis pela elaboração do Demonstrativo de Resultado Gerencial, ferramenta que permite mensalmente a tomada de decisões seguras por parte da administração.

Equipe de Manutenção: Controla e garante o bom funcionamento de materiais e equipamentos, incluindo desde a manutenção de um aparelho de ar condicionado até as máquinas utilizadas para a realização da hemodiálise. São cuidados preventivos e corretivos que refletem no conforto dos pacientes.

Equipe de Relacionamento: Coordena as atividades de inserção social, como campanhas assistenciais e também cuida das comemorações de datas especiais. Os aniversários dos pacientes e dos colaboradores são sempre lembrados por meio de cartões e brindes.

Equipe de Assistência: Envolve todo o tratamento da diálise e engloba a equipe multidisciplinar de profissionais, composta por psicóloga, assistente social, nutricionista, técnicos de enfermagem, médicos, enfermeiros, entre outros. Trata de analisar os pacientes de forma global, incluindo o seu estado biológico, psicológico e social.

Equipe de Gestão de Negócios: Trabalha com os itens formadores da cultura da empresa: missão, visão, filosofia e política de trabalho. São responsáveis pela aplicação e controle do Planejamento Estratégico anual. 

Equipe de Biossegurança: Auxilia nos cinco processos principais de segurança e suporte para a realização correta da hemodiálise. Abrange: segurança do trabalho, tratamento de água, gerenciamento de resíduos hospitalares, esterilização e higienização.

 



Trabalho em Equipe

agosto 14, 2013 | Postado por juliana |

Nosso trabalho tem reflexo direto na qualidade de vida dos usuários do serviço.

Para assegurar a valorização das pessoas frente aos controles estabelecidos, a cultura organizacional da CNC se mantém bem definida. Assim como na sociedade, os cidadãos estabelecem um conjunto de regras e normas de conduta que acabam por definir a forma como se relacionam entre si e com o meio, na CNC ocorre o mesmo. Conforme Carmem Araújo, secretária do serviço há 32 anos, essa forma de atuação é construída por cada colaborador. “Eu nunca sei se foi a Clínica que influenciou na minha maneira de ser, ou se fui eu que coloquei um pouco da minha forma de ser na formação cultural da Clínica. É um crescimento conjunto”, conta.

Até mesmo a definição dos objetivos anuais é feita de forma coletiva no Seminário Anual de Revisão e Elaboração das Estratégias (SAREE). Durante um dia inteiro, os 40 colaboradores estabelecem metas e se comprometem em conquistá-las de acordo com as suas potencialidades e das equipe que integram. “Nos dividimos em nove equipes que estão em constante comunicação por meio de reuniões semanais”, explica a secretária da Qualidade Daniela Morel.

Para avaliar o trabalho da CNC como um todo, duas vezes por ano, pesquisas de satisfação são aplicadas aos usuários do serviço, sob os objetivos de adequar as práticas às necessidades deles. “Os pacientes demonstram ter confiança em nós e a tranquilidade deles é fundamental para o resultado do tratamento”, avalia a técnica de Enfermagem Claudia Echevest. Para auxiliar ainda mais na qualidade de vida de quem dialisa, foi implantado o projeto Visitas em Sala que a cada mês leva um profissional de áreas diferentes da saúde para palestrar durante as sessões de hemodiálise.

Conforme a coordenadora da Qualidade, Juliana Freitas, pensar o bem-estar dos pacientes, foco principal do trabalho da empresa, passa também por compreender o perfil dos colaboradores e tentar atender as necessidades deles. Esse esforço resulta em carreiras longas que já completam 30, 18 e 15 anos de trabalho na CNC. Além disso, existem casos de adequação da atividade profissional dentro da própria empresa, como Cláudia da Silva. “Eu entrei aqui há sete anos na higienização e depois que eu fiz curso de técnica de Enfermagem, tive a oportunidade de mudar de setor. Hoje trabalho com os pacientes”, comemora a técnica.

Afinada com as necessidades afetivas dos colaboradores e usuários do sistema de hemodiálise, a equipe de relacionamento cuida para que os aniversários e as datas comemorativas não passem em branco. Conforme conta a recepcionista e líder da equipe de relacionamentos, Simone Clavel, sempre tem um brinde ou cartão para valorizar dias especiais. Além disso, as reuniões sistemáticas entre as equipes cuidam para que a comunicação entre todos os setores flua de forma natural. Os colaboradores ainda contam com murais informativos, aulas de yoga e convênios de saúde  e no comércio.

Para o sócio-proprietário da empresa W.M, Rafael Escotto, a afinação da equipe fica evidente no ambiente tranquilo que conseguem criar na Clínica. ”Realizamos a manutenção de máquinas de hemodiálise em quase toda a região sul e é nítido o tratamento diferenciado que a CNC oferece aos seus pacientes.”, avalia Escotto.

Opinião

Confira a opinião de quem utiliza o serviço:

“Aqui está o meu rim [aponta para a máquina de hemodiálise], a minha segurança. Eu agradeço por essas pessoas maravilhosas poderem cuidar da gente”. Sandra Pino – Em hemodiálise há um ano.

“Eu me sinto segura. Quando eu comecei a dialisar até queriam que eu fizesse em Porto Alegre, mas eu preferi vim fazer o tratamento com o Dr. Freitas. Faz quase 40 anos que ele me trata.” Terezinha da Silva – Em hemodiálise há sete anos.

“O médico aqui é como um anjo e o atendimento é excepcional. Eu não mudaria nada.” Florêncio Rodrigues – Em hemodiálise há um ano.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Eu acho a clínica super boa. O quadro de enfermagem e o Dr. Eula são maravilhosos. Eu venho de Quaraí bem tranquila, nem me lembro de que tenho que fazer hemodiálise, recebo até um lanchinho durante a sessão”.
Maria Corrêa – Em hemodiálise há três anos – Mora em Quaraí.

“Para mim está tudo ótimo aqui, as gurias, o médico e o tratamento. As visitas que os diversos profissionais fazem nas salas auxiliam muito as pessoas que não entendem direito porque estão aqui a compreenderem melhor a seu estado de saúde. Assim elas podem melhorar o próprio tratamento”.
Irma Espíndola – Em hemodiálise há 13 anos.



Um Modelo de Gestão

agosto 10, 2013 | Postado por juliana |

Trabalho em equipe e gestão de processos são os grandes aliados da qualidade da assistência prestada na CNC.

Para os 100 pacientes poderem realizar a hemodiálise com segurança, é necessário que o trabalho de muitas pessoas esteja em sintonia. Saiba como a Cardio Nefroclínica (CNC) construiu uma forma de trabalho que leva a empresa a ter controle total sobre os seus processos e a colocou entre as melhores em qualidade do país:

Forma atual

Nem sempre a CNC teve a estrutura de funcionamento que possuiu hoje. Nesses 33 anos de existência, conforme lembra a técnica da Enfermagem com 30 de casa, Marta Gonçalves, muita coisa mudou. “Toda a organização que as pessoas veem aqui começou a existir depois da implantação da qualidade”, afirma a colaboradora. A busca por padronizar o serviço de hemodiálise da cidade foi iniciada no ano 2000, depois da CNC ter identificado que o antigo modelo seria insustentável e levaria à falência.

Para recomeçar com força total, a diretoria contratou uma Consultoria Administrativa prestada em parceria com o Sebrae. Desde então, a CNC passou por uma reformulação em temos de gestão. Esta iniciativa propiciou a criação de ferramentas importantes para evidenciar os pontos fortes e os pontos fracos da empresa.

Identificadas as principais necessidades, algumas medidas foram fundamentais para a organização da empresa, como a implantação do Programa 5S. “Nessa etapa, limpamos todos juntos as paredes e os pisos do prédio onde se realizava hemodiálise”, conta a  Diretora Administrativa, Lucila Freitas, lembrando ainda que a mudança incluiu o descarte de tudo o que já estava obsoleto em cada sala da CNC.

Também foram implementadas outras práticas, como Qualidade Total, divisão dos colaboradores em equipes, o estabelecimento de indicadores assistenciais e administrativos, investimento em modernização das máquinas, entre outras ações que contribuíram para profissionalizar o serviço de hemodiálise da cidade.

“As mudanças eram necessárias, pois a CNC estava crescendo e precisava regrar a forma de trabalhar, colocar ordem na casa. O serviço funcionava, porém, não se tinha controle de praticamente nada e, se esta medida não tivesse acontecido, talvez eu não estivesse aqui para contar essa história”, lembra a responsável por implantar o programa 5S na CNC, atualmente gerente Administrativo, Viviane Moreira.

Em 2004, a empresa passou a integrar o Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP), por meio do qual conquistou dois reconhecimentos (ver box). Conforme a presidente do Comitê Regional de Qualidade de Santana do Livramento Jane Silveira, uma gestão pela qualidade traz às empresas um norte para diagnosticar a sua situação frente ao mercado. Com isso, a equipe terá condições de avaliar as atividades que realiza, implementar melhorias nos seus processos e melhorar os resultados.

“Depois de percorrer toda essa trajetória, sentíamos falta de ter a qualidade do nosso serviço submetida a uma avaliação na área da saúde e não apenas em termos empresariais, como tinha ocorrido até o momento”, explica a coordenadora da Qualidade, Juliana Freitas. Foi então que, em 2008, a CNC conquistou o MPE (Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas), pela categoria saúde.

No ano seguinte, a equipe estabeleceu como meta submeter-se à avaliação específica em hemodiálise, conferida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Mais um momento de reestruturação foi necessário  e, em cinco anos, a empresa estava pronta. O resultado foi a conquista Acreditação Plena, conferida pela ONA e recebida com muita emoção por todos que trabalham e se relacionam com a CNC .

Principais Reconhecimentos:

2003 – Hemodiálise Tipo II: reclassificação do Serviço por parte da ANVISA.

2005 – Medalha Bronze no Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP).

2006 – Finalista do Prêmio Talentos Empreendedores.

2007 – Troféu Bronze no Prêmio Gaúcho de Qualidade e Produtividade.

2007 – Finalista do Prêmio Talentos Empreendedores.

2008 – Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas (MPE Brasil) – Categoria Serviços de Saúde.

2008 – Melhor Torcida Organizada (MPE Brasil)

2009 – Reconhecimento nacional em Brasília pela obtenção do MPE

2013 – ONA – Acreditação Plena